sinestesia

Ficção No.56

Aquela sensação sempre o tomava de assalto. Aproximava o polegar do botão sobre o qual repousava um pequeno triângulo impresso, e o pressionava durante um instante. Que virava um segundo. Um segundo e meio. Quase dois. Provavelmente nunca tinha chegado a dois segundos, ele nunca saberia. Estaria assombrado pela sensação de perda que lhe causava o esmaecimento da tênue luz azul do mostrador. Parecia-lhe que antes apagavam as letras, os símbolos, os algarismos, para apenas então aquela luz, aquele sopro de vida num ser de plástico, metal, silício e terras raras, aquele arremedo de alma eletrônica desapareceria nas entranhas daquela carcaça agora silenciosa. Nas primeiras vezes não conseguia sufocar o impulso de ligar novamente o aparelho e descobrir que ele ainda estava ali, que iria voltar com certeza. Agora ele se controla. Sente-se quase disciplinado. Sente, todavia e ainda, que sufoca aquela vida luminosa, com um travesseiro imaginário, toda a vez em que precisa desligar seu minúsculo aparelho de som. Não é uma sensação boa. Olha para os lados, expira aliviado a perceber que está sozinho. Olha consternado para o visor vazio e lhe deseja bons sonhos. Deste lado.

About these ads

Single Post Navigation

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.003 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: