Excerpto

George Guimarães escreveu um livro muito interessante, chamado “A Magia da Espada Japonesa”. Existe uma seqüência muito interessante nas páginas 101 e 102, que transcreverei. Trata-se de um texto interessante, que serve tanto para os praticantes de artes marciais, quanto para aqueles que apreciam a evolução de si mesmos. O estilo deixa a desejar, mas o conteúdo redime qualquer análise estética de minha parte.

(…) Nesta altura, parece-me oportuno dizer alguma coisa mais sobre um dojo. Todo mundo sabe que nesse recinto se praticam lutas japonesas. O que muita gente não sabe é da importância do que ali acontece, além da prática de lutas. Uma pessoa, durante sua vida, pode ser vacilante, imprudente ou ter outros pontos fracos em sua personalidade. É possível que, ao longo de sua vida, não descubra por si essas deficiências, só vindo a identificá-las quando é tarde demais, já então numa velhice cheia de lembranças de fracassos e desilusões. Num dojo, o lutador hesitante dará oportunidade ao oponente para uma bem-sucedida investida. O imprudente que inicia sua ação sem uma cuidadosa análise de seu adversário terá a surpresa de ver seu ataque interceptado. Alguém que aceite lutar sem ter conhecimento de seus pontos fracos, neles será atingido. E, em todos os casos, essas deficiências custarão aos desavisados, no mínimo, dores a eles infligidas pelos seus oponentes.

Aí reside o lado sublime do que um dojo pode fazer por cada um e que justifica os monges budistas chamarem esse recinto de “santa terra”. Ali, quando se erra, descobre-se logo. Na vida cotidiana, isso não acontece. O amor de quem nos quer bem impede, muitas vezes, que nos apontem nossos defeitos. A hipocrisia social, às vezes até com segundas intenções, desculpa nossas deficiências para delas se aproveitar. Enfim, no nosso dia-a-dia existem muitos modos de serem ocultados os nossos defeitos. Num dojo, isso não acontece; eles são flagrados na hora, desafiando-nos a corrigi-los se quisermos deixar de sofrer por causa deles. (…)

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Literatura, Oriente e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para Excerpto

  1. humberto mac disse:

    isso me deu medo. muito amor sempre me protegeu.

  2. humberto mac disse:

    isso me deu medo. muito amor sempre me protegeu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s