Lisbele et Le Prisioneur

cartaz

Na ultra seleta terça do CIC, pudemos admirar o novo esforço cinematográfico do diretor Guel Arraes.

Apesar de seu nome, que evoca peixe em, pelo menos, duas combinações trocadilhescas, o rapaz fez uma carreira sólida na folhetinesca emissora monopolista de sua nativa república de bananas. Trabalhou sobre uma peça de um famoso escritor nordestino, fazendo o circuito cinema-minissérie no sentido inverso ao tradicional. Depois fez um filme com o Fagundes.

Hoje, eu não poderia esperar nada de mais este seu filme, forjado na caldeira do padrão limpinho global de filmes seriados. E lá estavam alguns dos cacoetes: a fotografia insípida, os efeitos digitais de gosto duvidoso, os barulhinhos bestas nas cenas engraçadas.

Mas o roteiro tem algumas belas sacadas, e diálogos que valem o ingresso. Não sei o quanto Jorge Furtado pode ser creditado por isso, e o quanto eu posso estar sendo injusto com Arraes, mas o que eu poderia esperar de um filme produzido pela mulher fortona do Caetano?

***

it’s very dificult to keep the line between past and present

A linha, que inicia uma das belas canções de Rufus Wainwright, aplica-se a um sonho que tive ontem.

É estranho como os presentes possíveis podem surgir, como fantasmas em sépia, durante nosso sono. Apenas uma possibilidade, uma faceta de uma linha paralela de tempo em que as coisas simplesmente derivaram para outro caminho. Um momento trivial de uma outra vida, da qual tive apenas uma pequena amostra, e que emerge das águas de uma noite de sono profundo, para desaparecer logo em seguida nas belas e misteriosas águas de outros instantes.

A respiração muda de ritmo por um instante, e logo tudo volta ao marejar sereno de sempre.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Cinema Mercosul, Impressões e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Lisbele et Le Prisioneur

  1. ah, convenhamos… O Marco Nanini tá impagável à la Reginaldo Rossi! Valeu o ingresso…

  2. Não gosto de sonhos. Eles apresentam uma realidade de que você não participa. Ou participa por curtos momentos… Não é angustiante?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s