Neil Gaiman: Noites Sem Fim

endless_nights

O escritor inglês está naquela fase da vida artística em que ele não precisa provar mais nada. Em Noites Sem Fim, ele permite a si mesmo a quebra do tabu de nada mais escrever em HQ com os Perpétuos. E volta a seus personagens mais célebres com a companhia de um time peso-pesado dos artistas atuais.

O trabalho minucioso de construção da galeria dos Perpétuos deu a Gaiman um grupo compacto de personagens que podem expandir-se por uma gama inacreditável de histórias.

Neste Noites Sem Fim, sonhamos épicos cósmicos com a mesma naturalidade com que entramos em mentes desvairadas em absurdos europeus de vanguarda. E todos estão de acordo com alguma faceta dos personagens de Gaiman. Viaja-se das páginas da Metal Hurlant para a Classics Illustrated tão rapidamente quanto a Morte traveste-se para levar pessoas de culturas diversas, e sem deixar de levar consigo o selo Vertigo.

As histórias de Gaiman necessitam ainda de graus diferentes de maturação junto ao leitor. Enquanto Morte e Veneza são absorvidas em sua primeira leitura, a lisergia de Adentrando, extrapolada por Sienkiewicz, precisa ser destilada em um imaginário sutil e aberto, sob pena de perder-se a chance de uma iluminação esteticamente ousada e agressiva.

Sem mais palavras sobre ele; Noites Sem Fim te aguardam em alguma livraria ou banca de jornais.

Ah, a editora nacional que lançou o gibi é a Conrad, e eles fizeram um site especial para o Gaiman aqui.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Quadrinhos e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Neil Gaiman: Noites Sem Fim

  1. Calíope disse:

    Achei noites sem fim maravilhoso, especialmente a história de Desejo e a do Morpheus, quem melhor que o Manara p/ ilustrar Desejo? E a do Sandman é lindíssima, só a expressão dele de decepção (aqueles olhos escuros com estrelas nascendo e morrendo) valem um reino.

  2. Lenore disse:

    Confesso que foi uma experiência frustrante.
    Não gostei de como Neil Gaiman desenhou a narrativa em diversos contos, usando discurso direto e muitas vezes descrevendo lugares e coisas que estavam muito melhor retratadas na arte dos desenhistas(?). Parece que ele se esqueceu de como fazer uma historia em quadrinhos.

    Alias, adorei o site em portugues.

Os comentários estão encerrados.