William Faulkner: Light In August

Luz em Agosto é o primeiro volume de Faulkner onde consigo entrar sem maiores percalços. Mesmo em Os Deserdados, da lavra mais displicente, posterior ao cerne da produção, tive dificuldades nas disposições entre negros e brancos. No meu predileto, Enquanto Agonizo, a ousadia da concepção assusta tanto quanto fascina.

Luz em Agosto é escrito em uma veia diferente. As preocupações ambientais são uma nota de rodapé, que se observa nas entrelinhas das funções de homens nas madeireiras que devastaram um país. Neste romance, o foco é deliberadamente o ser humano, sem disfarces narrativos. E este ser humano de Faulkner se divide em diversas personagens, sem encontrar-se em um único protagonista. A história parte de Lena e de seu pretenso marido, que o autor descreve pela visão dela para logo transmutá-lo, ainda coerente, em outro, escravo de outras paixões.

A lente de Faulkner age de acordo com o seu método de fluxos temporais. A personagem corre por uma cena, e logo decola para outro período de sua existência, sem lastro ou aparente preocupação com a importância dos eventos descritos em outras partes do romance; Faulkner escreve como se precisasse exorcizar uma história, como se o romance surgisse, em seu formato, como uma necessidade de outrem.

O aspecto do racismo é visto ainda mais de dentro, dado que o negro nem preto é. Os diálogos interiores são intensos, e as personagens, mesmo imersas em religião, sabem que o livre arbítrio não foi feito para elas, e que elas apenas seguem um trilho traçado pelos golpes de suas próprias vistas. Sentadas, aguardam seus carrascos, por vezes ruidosas, mas sempre conscientes.

Outro aspecto marcante desta obra é a aguda descrição, em detalhes menos herméticos do que os observados em outros períodos do autor. Tal riqueza de entalhes nas figuras dão ao universo subjetivo uma percepção linear, erigindo um crescendo épico em terras sulistas. Não é de espantar o fato de ter inspirado tantos artigos e análises.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Literatura e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para William Faulkner: Light In August

  1. Pingback: William Faulkner: A Mansão « sinestesia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s