09.10.2004 Wonkavision

Apesar da nuvem de álcool, meticulosamente consumido até o início da noite, mas ingerido descontroladamente depois das sete, impossível não reparar no desespero do povo trabalhador do Drakkar na noite de sábado. Os paulistas prometidos devem ser feitos de açúcar, pois não havia tanto movimento na Lagoa, embora placas de fora não fossem raras.

Chego na metade do show da banda de abertura, e eles são apenas bons, faltando cancha, quando penso de modo condescendente; quando sou mais realista e cruel, digo que eles não tinham carisma mesmo, apesar da platéia de amigos que pulava e gritava, e da boa vontade com que tocavam.

O Wonkavision entra no palco, e o guitarrista está com o pé numa tala; ele toca sentado. Gostei. Tinha visto eles na abertura do Los Hermanos na primeira vez do Fios e Formas, e não gostei de uma certa pose glam deles. Agora eles parecem mais naturais, e o guitarrista sorri com uma simpatia contente, e parece satisfeito em cantar. Seu toque preciso segue sua despretensão visual.

O baterista é preciso e econômico, e seguro nas inserções mais ousadas, derivações de música eletrônica em andamentos quebrados que desembocam, inevitavelmente, no bubblegum brincalhão e acelerado que caracteriza a banda.

A baixista, bom, a baixista. Garotas baixistas, diagnóstico meu, são uma fraqueza minha. Ainda mais quando têm postura rocker e bochechas fantasticamente fofas. E ela ainda canta, muito bem, ainda por cima. Talvez um pouco menos do que a tecladista assustada de olhos enormes, mas ainda canta muito; estou apaixonado. E aquele teclado Moog é o que há em termos de instrumentação cool.

O que mais me emociona é a concisão pop da banda, e a clareza de execução. Como referência, despejam versões desavergonhadas de Roxette e Elastica, tocadas com aquele ar de diversão infinita de banda de bar. O repertório próprio chuta muitos traseiros por aí, com peso e gostoso de ouvir. Tomara que conquistem as FMs.

O que eu não entendi, no final das contas, foi o Pipodélica ter tocado depois. A menos que o pessoal do Wonkavision tivesse de pegar algum ônibus mais cedo, ou coisa semelhante.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em On The Road e marcado , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para 09.10.2004 Wonkavision

  1. Jonas disse:

    A Wonka tocou antes por causa da perna do Will, acho. Eles não foram embora, pq foram jantar conosco domingo.

  2. Max disse:

    Não lembro de nenhum som do Wonkavision. Mas não me é estranho. Quanto a mulheres tocando ou cantando, é simplesmente encantador. Elas exercecem um fascínio sedutor enquanto estão no palco. As vezes chego perder a concentração na música em si. Sou apaixonado pela Paula Nosari, batera do Cidadão Quem.

  3. Carol disse:

    Gosto da forma como vc deixa este blog limpo. Queria ter o meu em p&b, mas meus conhecimentos html são muito básicos, e nunca consegui fazer algo decente.
    Aliás, minha falta de interesse por música ainda vai fazer um dos meus principais sentidos se tornar atrofiado. Estes dias, ouvi tanta besteira numa fila de teatro, que tive um desejo estranhíssimo: queria ser surda. Por alguns minutos, foi a coisa que mais quis na vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s