Beleza

...except my genius.

Passando sonolento diante das fachadas dos prédios da Expressa Sul, junto ao bairro Saco dos Limões, os penduricalhos luminosos se espalham pelas sacadas, sem padrão, sem cuidado, sem princípio, sem Beleza.

Wilde professa a Beleza como essencial nas linhas e nas entrelinhas de um século dezenove surdo, e imagino o que ele sentiria ao adentrar o século XXI de nossas janelas de ano novo.

O ano novo traz uma necessidade de renovação, de melhoria de condições, e dentre elas mesmo o mais néscio dos humanos percebe a necessidade de beleza. Dado que o ano inteiro fugiu das mãos, corre-se atrás do prejuízo; se as paredes não foram pintadas, se as sacadas não foram reformadas, se a casa é um amontoado de tijolos sem vida estética, precisa-se resolver isso, e precisa-se resolver rápido, objetivo que se alcança com lâmpadas ajambradas em cordões verdes, monstruosidades criadas em fábricas chinesas escravizantes para produzir um curativo, para suprir uma falta, literal e metafísica, de luz.

E elas caem como cascatas de janelas e sacadas, irregulares, sem sincronia; gambiarras, em tudo feias; encontra-se precária consolação nesta esmola de brilho.

Da mesma forma, são esquecidos os cuidados com o corpo, nossa interface quimico-física. Como nas casas maiores, de concreto e madeira, releva-se um ano distraído de violações e concessões danosas. Na iminência dos fogos no céu de ano novo, surgem roupas brancas, faces maquiadas, músculos trabalhados em academias, superfícies de exibição para o espelho do olhar dos outros, que reflete uma ajambração, de corpo agora.

Se o ano novo é a única passagem que se enxerga, que seja ela uma data de partida para adquirir o hábito de enxergar as passagens em cada segundo, como no poema do Drummond, e não a cada ano. Assim, as medidas de correção podem abarcar apenas minúsculos períodos, e não uma imensidão perdida de um ano, vazia de beleza e cuidado. No mar de um ano, não há por onde começar; abraçar o instante, enfim, parece um caminho real para a Beleza, longe dos truques e ajambrações de última hora.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Filosofia de Boteco e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Beleza

  1. sol disse:

    Por Deus.

    Estou começando a acreditar mais seriamente na sua ineficiência. Ou na sua eficiência no trabalho.

    Semana que vem eu volto pra saber do show.

    Abraço,

  2. sol disse:

    Droga.

    Você provou que conversas sem um sentido óbvio podem acabar ensinando (?!) coisas.

    Mas aposto que fez só pra me irritar.

    Foi legal.

    Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s