Ficção No. 38

veja além

A ponte deitava seu concreto e seu asfalto dividido por listras amarelas sobre os pilares revelados em sua curva, bem adiante, onde as árvores se desenhavam em pincéis nebulosos da distância filtrada pela névoa sobre as águas silenciosas e vastas. O ar estava parado, mas sua presença era clara, perceptível pela ondulação sobre a pele das bochechas. De um lance, disse: eu vou. se você for primeiro.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Ficções e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Ficção No. 38

  1. Avoada disse:

    Sim, era um bung jump, e ela queria ter certeza de que ele ( o bung jump) tava firme, para então pular em seguida!!! rsss… ai ai.

  2. Dani disse:

    gosto da associação que você faz entre as imagens e os textos. good!
    inté.

  3. MM disse:

    No meu imaginário …e ela saltou logo após, eram dois “ioiôs-humanos”, um bungee jump fantástico…embalados pela trilha sonora de seus corações acelerados e apaixonados….

  4. Turnes disse:

    nem meio nem fim. um parágrafo em si.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s