Andrucha Wadington: Casa de Areia

O amor é lindo. E nem isso explica. Nada explica. Mesmo. A magreza estética de Casa de Areia seria um mistério, não fosse o conhecimento de que o diretor Andrucha Waddington é um, uhm, publicitário.

Aí tudo fica claro. A obsessão com o estilo fotográfico do Sebastião Salgado? Merece até um trocadilho com aquela montoeira de areia e mar. Aliás, lugar perfeito para fotografia asséptica: tudo varia em tons de bege, e eu tomei um susto quando vi os jipes militares verdes, destoantes do resto, acredite. Incrível como tudo é sujo e suarento, e ainda assim tudo parece esteticamente limpo e asseado.

Dizem que o roteiro foi uma inspiração do diretor enquanto viajava pelos Lençóis. Lugar pouco fértil, pois só deu ao rapaz este fiapo de história, que alguém pode até confundir com algum rabisco do Marquez, como pode confundir com os marimbondos do Sarney também. Por falar em Sarney, ele e a filha estão nos agradecimentos da bagaça, o que já explicaria a coisa toda, junto com o patrocínio da Globo Filmes, mais a produção do Luciano Huck. Deus, eu sou um masoquista! Como pude me expor a isso?

E dá-lhe paisagens paradisíacas e total falta de noção ou verossimilhança. As cabras devem ter pedido insalubridade pelos dias em que foram obrigadas a ficar naquele areal. Aquilo é um crime: vai que alguém acredita que dá para ter cabras naquele lugar mesmo?

Mas eu falava de amor, e agora noto que estava falando besteira. A Fernanda Torres já fez coisas horrorosas, como aquele arremedo de película estragada em Os Normais. E, diabos, nem a mãe eu salvo: Central do Brasil é um testemunho deprimente de como um filme pode ser piegas.

Vou parar por aqui: Casa de Areia é tão ruim que eu nem consigo falar mal direito.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Cinema Mercosul, Uncategorized e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Andrucha Wadington: Casa de Areia

  1. Ox disse:

    Ah, vai! Nem foi tão ruim assim. Já vi piores. Fui ali no Cine Luz (Curitiba), paguei R$2,50, vi as paisagens legais do Maranhão (já morei lá) e no final ainda rolou um Chopin! Ah, por 2,50 até que eu fiz um bom negócio.

  2. mari disse:

    vc tem algo contra os lençois maranhenses ? qual o seu problema ?

  3. pipoca rosa disse:

    Seu cabeção!!!!!
    Enquanto assistias essa coisa os franceses surreais iluminavam os cantos do CIC. ai ai, mto engraçado..
    e mais uma criatura RBS sem noção…
    achei q ia te encontrar lá..

  4. Jux disse:

    E Gilvas foi….
    BUMMMMMM!!!

  5. Carol disse:

    Kundera, Proust, melancolia e Cuba. Meu último post é uma confusão tão grande quanto a que eu meto este pobre coração aqui. Beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s