The Secret (We’ll Make Lots of Money)

embuste, puro e simples.

A Nova Era tornou-se inevitável, como conceito papagaiado, na década de sessenta. A facilidade de estabelecer comunicação, e as novas camadas de globalização, possibilitaram que os derivativos de fadinhas e filosofias orientais mal digeridas penetrassem em, virtualmente, qualquer ramo de conhecimento. Outros fatores se somam a estes: a balançada da ciência diante dos novos desafios do muito grande e do muito pequeno, e o tédio generalizado das classes bem alimentadas mundo afora.

No caso da ciência, eu diria que o marco são os escritos de Fritjof Capra, que, vistos por um prisma crítico, ensejam alguma relevância. Capra, para mim, é o limite onde as divagações do riponguismo de butique deveriam cessar. Seus livros apenas resvalam em bobagens, ao contrário de bizarrices como What The Bleep Do We Know, que nelas chafurdam com gosto. O Segredo é visto por seus fãs como uma continuação de What The Bleep Do We Know. Aliás, os detratores devem dizer o mesmo, dado que as características realmente são semelhantes, parecendo até coisa dos mesmos produtores. Não, eu não pesquisei sobre isso, o filme não merece. Nenhum deles merece nada, nem pena, exceto algumas linhas de xingamento como as que você está lendo.

What The Bleep Do We Know possui o mérito de ser feito por pessoas inocentes. São pessoas abiloladas, como aquela especialista em pintura de cabelos que se diz psicóloga. São pessoas que cresceram sem contato com a realidade, brincaram demais com bonequinhos de massa, e viram demais aqueles canais educativos com historinhas construtivas. Elas são um produto do meio, e devem ser perdoadas, dado que produzem um filme como elas: bobo.

The Secret é bem diferente: é pernicioso, prejudicial. Um pouco de observação crítica revela, sob os pastiches de ideologias confusas e frases em contextos distorcidos, o objetivo único de adquirir posses materiais. O exemplo mais usado é este, e o espectador pode começar a se perguntar onde ouviu sobre isto antes. Onde? Nas doutrinas de algumas igrejas evangélicas da moda!

Certos pontos conseguem ser engraçados. Os caras, por exemplo, possuem as mais incríveis profissões. Um deles é “metafísico”. Deus, já imaginou o guri chegando para a mãe, e dizendo que quer ser metafísico quando crescer? Bom, nos velhos e saudáveis tempos, ele levaria uma bela surra, e iria fazer algo útil para a humanidade. Nos tempos do segredo, provavelmente vai ganhar um abraço forte e um filtro dos sonhos para preservar sua bela vontade.

Neste momento, salta aos olhos outra característica aviltante da filosofia pregada pelo filme: a pirâmide, que é considerada crime em diversas culturas. Como funciona: eu sou um guru e engano pessoas, que podem virar gurus também, e por aí vai.

O apelo do filme é simples e eficiente. Ele pega uma única lição importante, que é esticada, torcida, puxada e reprocessada ao longo de noventa minutos: nossos pensamentos influenciam o mundo ao nosso redor. Poucas coisas são mais óbvias do que isso. O universo todo depende de como o enxergamos, e apenas toupeiras oligofrênicas com QI inferior ao de ostras precisam de noventa minutos de lavagem cerebral para perceber isso.

O produto é excelente: tem um livro a reboque, e todo um monte de outros produtos pode se desenvolver a partir dele: outros livros, palestras, artigos para revistas, sabonetes, incensos, lacres em cera para cartas, roupas de guru, e por aí vai. O consumidor fica feliz, recheado de bobagens bonitinhas que justificam seu consumismo e seus sonhos fúteis, e o mundo segue para o abismo a passos largos.

Tem momentos em que o fato de vivermos apenas cem anos me conforta profundamente.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Mau Humor e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

12 respostas para The Secret (We’ll Make Lots of Money)

  1. Ian disse:

    “O universo todo depende de como o enxergamos, e apenas toupeiras oligofrênicas com QI inferior ao de ostras precisam de noventa minutos de lavagem cerebral para perceber isso.”

    Tem certeza de que você não está levando 39 anos pra digerir esta?

  2. Jones disse:

    “sob os pastiches de ideologias confusas e frases em contextos distorcidos, o objetivo único de adquirir posses materiais. O exemplo mais usado é este, e o espectador pode começar a se perguntar onde ouviu sobre isto antes. Onde? Nas doutrinas de algumas igrejas evangélicas da moda!”

    Tava indo muito bem Gilvas, afinal os americanos inventores dO Segredo, para atingirem a mente de outros caucasóides pouco espiritualizados precisam falar do que eles mais gostam, dinheiro e posses: O Sonho Americano. Que se torna mais próximo, se você utilizar as dicas dO Segredo.
    …até falar nas “evangélicas da moda”.
    Eu não frequento igrejas evangélicas nem da moda nem fora da moda, mas não posso deixar de deixar minha opinião de que O Segredo, nada mais é do que um apanhado das filosoofias orientais de positivismo e amor ao próximo, aquelas no estilo “ame e serás amado”. E elas são muito mais antigas do que as evangélicas da moda.
    Embora os americanos babacas dO Segredo possam ter realmente pegado a idéia dessas igrejas, que por sua vez pegaram das filosofias orientais e/ou místicas.

    Tá na cara que O Segredo tem alguns elementos chupados do Xintoísmo, do Budismo e, principalmente, da Seicho-no-Ie.
    Aliás, O Segredo parece mais com uma tradução americanóide da SNI.

    Obs. É possível responder em itálico ou negrito? BBCode, [i], [b] ou coisas do gênero?

    • gilvas disse:

      oui, pelo que eu sei o campo de respostas do wordpress aceita html. testa aí. se a parada não funciona, eu deleto as tentativas. pode ser?

      concordo contigo: estas abordagens “filosóficas” foram extraídas de diversas linhas mais “sérias” de pensamento. na verdade, o segredo deriva diretamente de o poder da mente, do joseph murphy, livro em voga nos anos setenta/oitenta.

      aliás, este texto aqui foi feito para quem fez escola técnica: https://gilvas.wordpress.com/2010/11/30/o-corpo-escuta/

      abraço!

  3. Pingback: Isaac Asimov: The Final Fantasy Collection « sinestesia

  4. Pingback: Steven Pinker: Como a Mente Funciona « sinestesia

  5. Pingback: Capitalismo ptIV: Produção Cultural « sinestesia

  6. Rivaldo Constantino disse:

    O exemplo mais usado é este, e o espectador pode começar a se perguntar onde ouviu sobre isto antes. Onde? Nas doutrinas de qualquer igreja evangélica

    Precisa se informar mais sobre as doutrinas das igrejas evangélica meu amigo, para não cair na generalização! Qaundo generalizamos somos tendenciosos a errar!

  7. Adilene disse:

    Especialista em tintura de cabelo que se diz psicóloga é engraçadinho… me fez rir a essa hora da noite, rolando por causa do horário de verão ainda não absorvido pelo organismo… vou tentar a força do pensamento!!!

  8. Eu mema disse:

    “Poucas coisas são mais óbvias do que isso. O universo todo depende de como o enxergamos, e apenas toupeiras oligofrênicas com QI inferior ao de ostras precisam de noventa minutos de lavagem cerebral para perceber isso.”
    A-DO-REI!! huaihauiahuiahaiuha
    lembrei de uma barraquinha numa feira de livros que se dizia internacional (entre nações-noções duvidosas). Tinha um Kit do “Código da Vinci” todo fru-fru, e eu olhei aquilo e pensei: “nossa, c/ uma capa dura dessa e brilhoso desse jeito engana qqer trouxa mesmo..”. Nem perguntei o preço, mas devia ser caro. E o pior, eu quase não vi livros mesmo, de literatura, ou algo que prestasse mesmo, pow, a maioria era esses troço de “em busca da felicidade”, “Como ser uma mulher inteligente”, Que saco!!

    é isso..
    beijo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s