Emilie Simon

O Fagundes não vale uma naba. Não bastasse ele ser o maior comedor das novelas brasileiras, ele quase me faz deixar de conhecer direito uma de minhas musas atuais. Eu explico: a versão de A Marcha do Imperador que assisti teve o azar gigante de ser a dublada, e o pingüim masculino adulto era o nosso Fagundes. Imagina, um pingüim cujas frases têm sempre o mesmo tom que Fagundes usa, e que ecoa “vou te comer” subliminarmente. É o equivalente ao hey, how you’re doing? do Joey, de Friends. Tragédia, tragédia.

Felizmente, o mundo é um campo de aprendizado, mas tem seus dias de moleza. Assim, um dia eu baixei, sei lá por qual razão, algum material de Emilie Simon. Devido a uma mania de encadeamento coerente que desenvolvi na minha adolescência, comecei pelo primeiro disco dela. Começa a versão original, pois tem outra em inglês, de Desert. O obstáculo inicial é o registro extremamente agudo e infantil da voz: Simon canta como se fosse a Emiliana Torrini num compacto de 33 tocada no pickup de 45.

Leva um tempo para acostumar. A dica é focar inicialmente nas camadas generosas de ruídos e cordas. Por vezes opulenta, a produção mantém um padrão de bom gosto ao longo do disco, sem balançadas ou perdas de pulso. Logo tu acabas descobrindo que não existe como cantar Flowers com outra voz, e que o Iggy Pop não deve ter ficado realmente bravo com a versão de I Wanna Be Your Dog.

A canção que espero, acima de todas as outras, é, sem sombra de dúvida, Blue Light. Minhas descrições teriam de ser melhores para efetivamente aproximar, com palavras, o leitor do ouvinte que fui, mas Blue Light é simples e modesta. Suas camadas se juntam num sentido que já se espera, e a ponte quebra o clima com galhardia, permitindo um retorno para o refrão quase como se fosse uma outra canção. A versão acústica não deixa por menos; tem no CD bônus, assim como uma versão quase Nouvelle Vague para Flowers.

O disco de estréia firma um repertório altamente excursionável, mas deixa a dúvida sobre a faceta compositora da moça. Isto se repara completamente na trilha para Marcha do Imperador, onde as estruturas bem pensadas trazem de volta à memória, num exercício sinestético trivial, praticamente todos os momentos do filme, ainda que um ou outro momento seja pop demais, inadequado à esfera de som de um universo abstratamente congelado.

E o melhor da trilha é que ela se sustenta com ou sem o filme, e, na trilha, não o Fagundes. Vai por mim, é negócio.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Eletronices e marcado , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Emilie Simon

  1. Ana Corina disse:

    kkkk Que trauma com o Fagundes é esse, fio?
    😉

    • gilvas disse:

      é mais pegação no pé mesmo. vi o fagundes numa novela, das sete, acho. ele é um caso interessante: é, ou foi, um dos prediletos da mulherada madura, mas nunca fez esforço para ser galã. assume sua barriga com orgulho, essas coisas.

      entretanto, pingüim com voz de fagundes não rola!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s