Ane Brun: Spending Time With Morgan

Ane Brun entrou para a minha calçada particular da fama por suas contribuições inequívocas e profundamente relevantes na descrição do estado do apreciador de cançonetas populares quando este se depara com uma iguaria ainda em processo de assimilação. Esta primeira frase do texto atual, se não assustou um possível leitor com sua construção macarrônica, mostra o quanto é difícil demonstrar o que sente o vivente quando se apaixona por uma música que nem sabe cantar direito. Humming One Of Your Songs fala disso, e com uma simplicidade que te esmaga. Duvida? Então segue a letra:

I’m walking
I am walking along
And I am humming
I am humming
One of your songs

I just know one small verse in the middle of it
But it makes me wanna hear it
On and on and on and on

Everyday I hear your song now
Everyday
It won´t go away.
So I am humming
I am humming
One of your songs

I just know one small verse in the middle of it
But it makes me wanna hear it
On and on and on and on

So I am humming
I am humming
One of your songs

Ane sabia que tinha uma pérola rara em mãos, e tratou de registrar duas versões dela neste Spending Time With Morgan. A primeira, violão mais voz mais arranjo folk elegante, me conquistou de imediato. Felizmente a letra é simples, de modo que na terceira vez que ouvi eu já podia negar o que cantava. A versão orquestral, que fecha o álbum, acrescenta curiosidade à faixa de abertura, sendo um tiquinho menos encantadora.

Dado que já falamos dos extremos, podemos nos ater ao miolo deste elegante disco. Are They Saying Goodbye é a segunda faixa, e remete tanto a Beth Gibbons quanto a Sam Bean; um gostinho de blues, o suficiente para que eu reconheça a sua presença, e pouco o suficiente para que possa apreciar.

Impossível não pensar em Kristin Hersh quando Ane entra em On Off, faixa três: o violão esquisito, tocado de dentro de uma casa velha na beira de uma estrada onde poucos passam, e as cordas ao redor tudo conspira para trazer a lembrança quase táctil de minha pinguça predileta. O refrão, entretanto, tem uma linha vocal que lembra mais Dolores O’Riordan, e tudo funciona como um passaporte para um mundo mais bucólico e mais reflexivo.

Shot My Heart tem muito a ver com Martha Wainwright, aquela coisa folk e com punch, um tanto à beira do ataque de nervos, e mais alguma coisa que devo estar esquecendo. Pode parecer, depois de tanta referência, que Ane não tenha personalidade, e isto seria falso: eu cito referências apenas para localizá-la dentro de meu mundo. E nem sei porque estou explicando isso.

Drowning In Those Eyes é uma melancolia tão sulista que eu achei que ela precisava fazer um dueto com o Iron & Wine, tamanha a semelhança do andamento de seu violão e também dos slides e pianos, todos extremamente acolhedores a seu modo um tanto excêntrico. Esta atmosfera é esquisita quando se considera a origem nórdica de Brun. A culatra se apresenta apenas quando Brun se lança em So You Did It Again, que é divertida mas desnecessária, um tanto deslocada dentro deste disco.

Headphone Silence é uma descrição de experiência, novamente. Agora se fala de uma pessoa que mergulha na canção em seus ouvidos, o silêncio que os falantes próximos induzem no que se refere ao exterior próximo. O vocal é gravado como se Ane cantasse dentro de um tubo, o que alimenta uma semelhança elegante com o que se poderia estar ouvindo em um antigo rádio AM. É uma estrela do rádio despida dos excessos, que vive a base de violão, de um sopro, de uma percussão que se faz de distante. Classe é para poucos.

Deveria me assustar por ela vir logo depois desta epifania com What I Want, em que as vacas são soltas do celeiro para o pasto, quase como se Sheryl Crown tivesse baixado na cabeça dela, ou talvez Dolly Parton? Ane Brun pode, ela pode tudo, e soará excelente. Tanya Donelly caminha pela mesma linha atualmente, então nem preciso explicar o quanto gosto.

E eu? Ora, eu estou caminhando e resmungando uma certa canção.

***

Sem assunto para a tarde? Então olha isso aqui e aqui.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Música e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Ane Brun: Spending Time With Morgan

  1. Ana Corina disse:

    Curiosamente, estou ouvindo exatamente agora a “Humming One Of Your Songs”. Baixei o CD sem ler teu post (confesso…) e vim aqui justamente pra finalmente lê-lo pq a musiquita está agradando deveras! Bom que já tem de quebra a letra, adorei!
    😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s