A Vergonha Alheia

Sofro de constrangimento alheio, ou seja, fico envergonhado quando alguma pessoa paga algum mico. Mesmo que eu não conheça a pessoa. Mesmo que ela própria não se sinta envergonhada. No caso dos modelos das propagandas de uma certa fábrica de sorvetes, eles sentirão vergonha no futuro, quando forem confrontados com as piadas cruéis que este tipo de situação suscita. Talvez sejam impedidos de concorrer a cargos políticos relevantes. Imagina o medo de um candidato a síndico, temendo ser surpreendido, por um concorrente ou detrator e a qualquer momento, com imagens retiradas do arquivo infame da publicidade mambembe.

***

Já pararam para reparar na palavra “Mambembe”? Presumindo que eu tenha a digitado corretamente, é uma palavra bem peculiar. São apenas quatro letras dispostas no anagrama de um palíndromo. Deus, eu adoro o som de “no anagrama de um palíndromo”. Só não falo em voz alta porque estou na minha baia do trampo, mas pretendo utilizar como mantra enquanto faço minhas respirações matinais. “Mambembe” é um caso de assimetria sacana, um deslocamento de uma simetria que poderia ter sido. Pena que não posso usá-la tantas vezes quanto gostaria. “Mausoléu” é outro caso de amor antigo.

***

Pensei no meu querido amigo Renato Turnes também, que adorna a propaganda de uma dessas laranjinhas jaguaras que abundam nos quiosques da redondezas do Rita Maria. Turnes, pessoa fina e de origem nobre, teve de fazer este bico nas vacas magras que a sua decadência novecentista exigiu, então eu só vou pegar no pé dele, e ser amaldiçoado por isso. De qualquer modo, obviamente não existe registro digital destes cartazes constrangedores, e poucos se arriscariam com câmeras digitais nos tugúrios tenebrosos onde se trafica a tal laranjinha. Só indo lá para conhecer mais esta faceta do camaleônico Turnes. Se conseguir a imagem, favor repassar no meu endereço eletrônico.

***

Um cidadão entrou aqui neste endereço internáutico por intermédio da pergunta “por que existir doi?”. Presumo que a quarta palavra seja “dói”, ainda mais se a minha surrada Moderníssima Gramática ainda vale. Deveria ser óbvio, mas eu ainda me surpreendo com as utilidades da internet; quem diria que ela se prestaria a buscas existenciais? Que tenha a pergunta desembocado no Sinestesia deixa a coisa toda desacreditada, mas porque estragar um dia tão bonito com ranhetices?

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Bobagens e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para A Vergonha Alheia

  1. gilvas disse:

    o cartaz da laranjinha do turnes fica no começo da joão pinto. tem outra na frente das americanas.

  2. Pingback: Bichos Invisíveis « sinestesia

  3. MM disse:

    Oi Gilvan, adoro esse seu espaço para reflexão. Concordo com seu texto, mas mico mesmo são as tais videocassetadas do Faustão. Muito mais que mico …abuso, agressão , desafeto seriam as palavras. Domingo dia 1 fiquei chocada com que os adultos obrigam as crianças a passar. A pior foi um bebê que ficou sufocado alguns longos segundos, com sua própria tiara colocada de forma proposital pelo adulto.O pior ainda foi o tal Faustão achar o máximo a ponto de mandar repetir a cena. Fiz uma denúncia ao Departamento da Sociedade Brasileira de Pediatria e agora estou fazendo um relatório para enviar para o órgão de proteção a criança e adolescente. Como as peesoas podem rir disso ou ficar entorpecidas com aquele lixo?

    • gilvas disse:

      h coisas que, teoricamente, deveriam ser engraadas, mas no so, como aquele vdeo da senhora do sanduche-che; no consigo rir daquilo. rio quando algum pedante se estabaca por ter achado que podia extrapolar seus limites de forma exagerada ou estpida.

      se fazem tais babaquices com crianas, imagina ento o que fezem com os bichos, ainda mais em sociedades dominadas pelo sentimento puramente utilitrio em relao aos animais.

  4. turnes disse:

    pois eu acho que ter feito a campanha da laranjinha é até assim…”cool”. Tem um lance meio underground. Funciona como uma crítica ao sistema. A imagem do cartaz fala sobre a opressão dos mais fortes sobre os mais fracos…Vcs não vêem a metáfora? Insensíveis.

    • gilvas disse:

      ator, diretor, comediante, produtor, celebridade cult, e agora, ativista: no admira que a agenda esteja to lotada!

  5. mafra disse:

    ahahahahahaahahaha – quero ver o material do turnes!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s