A Falácia da Sustentabilidade Catarinense

Mais um ano eleitoral passa, e a mesma escumalha continuará mandando em Santa Catarina. Por mais quatro anos. Será a mesma coisa, os mesmos Marcondes e Bornhausens de sempre. Algo masoquista diz que todo povo tem o governante que merece, eu faço parte deste povo, a conta dá um resultado ruim.

Outra conta interessante que eu fiz hoje: juntei uma notícia que li no Idéias Green, originalmente circulada no Diário Catarinense, o veículo chapa-branca da província, e juntei com minhas observações sobre a Fenaostra, que fui visitar hoje.

A Fenaostra é um experimento sociológico. Você quer comer ostras? Esqueça da Fenaostra, vá ao Ribeirão da Ilha curtir um fim de tarde gostoso em um restaurante bonito e com preços justos. A Fenaostra é um lugar para coleta de dados sobre péssimas indumentárias, atendimento de regular para péssimo, mesinhas de plástico, e barulho, muito barulho.

Entre os defeitos óbvios da Fenaostra, entretanto, sobressai o que se refere à sustentabilidade. As porções são servidas em pratinhos de isopor, os talheres são de plástico, os copos são de plástico. Você come algo singelo como uma porção de ostras, uma de camarão e uma terceira de risoto de ostras, o que alimenta razoavelmente bem um casal, e o saldo é de cerca de quarenta reais a menos na sua conta, e plástico suficiente para preencher uma sacola de supermercado. Tudo devidamente ensebado de gordura, o que impede a reciclagem.

As lixeiras evidenciam que tudo terá sua última viagem num daqueles caminhões grandões que vão jogam nossos dejetos ilhéus em alguma cidade periférica que acha um bom negócio emporcalhar seu lençol freático com aterros sanitários.

Para não dizer que tudo era desolação, troquei algumas palavras com um homem que recolheu as conchas das ostras que consumimos. Ele me disse que as conchas, ou cascas, são torradas e moídas, sendo transformadas em um complemento que torna peças de cimento estrutural muito mais robustas. O fim do túnel tem uma vela, em suma.

Apesar desta mínima esperança, sabemos que anos de hipocrisia nos esperam. O plano de criar uma campanha de marketing em torno da idéia de uma Florianópolis sustentável é obviamente balela para os povos bretões. Nosso governador em exercício, assim como o próximo, devem imaginar que sustentabilidade tem a ver com a conta bancária deles, palavra linda, mas obviamente suas mentes tacanhas não se conectam com seu significado. Fosse verdade, teríamos uma bela malha de ciclovias a permitir o livre trânsito das magrelas de um lado para o outro da cidade. Olho pela janela, e vejo um presente apocalíptico. De plástico.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Filosofia de Boteco e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

8 respostas para A Falácia da Sustentabilidade Catarinense

  1. Olá Gilvas, obrigado pela referência ao Idéias Green. É um prazer discutir os problemas que afrontam o estado de Santa Catarina. Abraço.

  2. milene disse:

    Só mais um choramingo: não dá pra separar político e povo. O político é o povo. E o povo me causa desesperança. O povo (sem generalizar, generalizando) é preconceituoso: http://eleicoesnarede.blog.terra.com.br/2010/11/01/votos-do-nordeste-viram-polemica-no-twitter/

    E esse preconceito contra nordestinos ou disputas idiotas entre regiões acontece sempre, independente de eleições…

    • gilvas disse:

      no domingo eu estava com meus botões divagando sobre o efeito que a não-obrigatoriedade do voto teria sobre a balança de poder votante entre sul e norte. teorizei durante algum tempo, mas não consegui pensar em uma tendência dominante no assunto.

      mas este não é o ponto do que colocaste. sobre o que escreveste, pensei, em outro dia, sobre como as redes sociais emulam o ambiente de uma vila ou cidade pequena. podemos saber das pessoas e podemos fazer transações usando a proximidade que as redes sociais proporcionam, e o reverso da moeda são sentimentos típicos de cidade pequena: preconceito, fofoca, xenofobia. de volta do princípio, em suma, e se achando o supra-sumo do cosmopolitismo.

  3. milene disse:

    Difícil ser otimista, não é?

  4. Pingback: Tweets that mention A Falácia da Sustentabilidade Catarinense « sinestesia -- Topsy.com

  5. Jux disse:

    PHODA!
    bão… mas há de ser que a esperança não morra: agora que Sustentabilidade é moda, é IN (Se até o HSBC fala disso) – vide ecobags-do-baralho e toda a parafernália pra classe mérdia e a elité deixarem a consciência ecológicamente tranquila – quem sabe as iniciativas realmente coerentes e com possibilidade de concretização possam ter algum espaço no meio de toda mídia em torno da Sustentabilidade.
    Tuas escritas continuam cada vez mais ótemas-mais-melhor-de-boas com o passar das folhinhas do calendário!

    • gilvas disse:

      é, torçamos para que um mínimo de efetividade se infiltre em meio à bandalheira que políticos fazem com coisa séria.

  6. mafra disse:

    grande texto, seu gilvas. muito bom.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s