Radiohead: The King Of Limbs

Thom Yorke é um artista. Provavelmente um dos últimos verdadeiros artistas da música popular, ou quase, da atualidade. Um artista no sentido de criar obras, e não no sentido de fazer parte daquele programa do Silvio Santos que juntou Barbara Paz e Supla. Thom Yorke é um artista, ele cria obras que transcendem os discos em torno dos quais estes eventos ocorrem. Pouco importa se o disco é bom ou se é uma bosta.

The King Of Limbs divide águas. Há quem tenha odiado de cara, imediatamente. Há quem tenha babado ovo e esteja, digamos, babando até agora. Entre deslumbrados, que amariam Yorke mesmo que ele tivesse lançado um disco “novo” que nada mais fosse do que um pout-pourri de The Eraser tocado ao contrário, e os detratores que nem escutaram o disco, talvez seja mais saudável estar com o segundo grupo.

Estou falando de Thom Yorke, e não de Radiohead, pois este disco é do Thom Yorke, e não do Radiohead. The King Of Limbs é melhor do que The Eraser, não há dúvidas, mas está mais para o disco solo de Yorke do que para Kid A, por exemplo. Este disco novo é a manifestação de todos os horrores que In Rainbows havia afastado.

Entretanto, isto não importa. O Radiohead não é mais uma banda, é um evento que todos, fãs e detratores, esperam com semelhante ansiedade. Foi um susto, semanas atrás, quando o disco surgiu. Apareceu por detrás de uma cortina, bu! Lá estava o disco. Pode parecer que eles tenham recuado na abordagem de distribuição, mas é tudo parte de uma estratégia, de uma forma como Yorke planeja descortinar um mundo onde Naomi Klein é uma rainha branca e as cabeças rolam sozinhas.

O Radiohead se transformou em um fenômeno parecido com o U2. A diferença básica, entretanto, está na sonoridade. O U2 se diluiu, se transformou em uma piada amorfa movida a canções genéricas que demonstram o tamanho da preguiça que se instaurou nas composições de Bono & Co. O Radiohead, na via inversa, é cada vez mais Radiohead, embora isso possa soar meio Thom Yorke. A banda pratica um som é a cada dia mais Radiohead, para bem ou para mal.

O aspecto “artista” surge óbvio no clipe de Lotus Flower. Yorke requebra conforme uma coreografia criativa e inspirada, tira vantagem de sua figura esquisita e cativante, criando memes e sendo editado por dezenas de fãs e detratores, que recortam trechos de sua dança com trilhas diversas. Difícil escolher a mais divertida, mas confesso uma quedinha pela versão musicada por Xereta, dos subestimados Claudinho e Buchecha.

Há as capas, o disco-jornal, e tudo mais, claro. As capas cada vez mais esquisitas, as idiossincracias coloridas, visuais cacofônicos. Tá, tá, e a música?

Para começar a escrever este texto, coloquei o disco para rodar aqui. Descobri que pode ser que eu tenha finalmente entrado nele. The King Of Limbs veio numa hora ruim, eu havia recém entrado no universo do disco do White Lies, provavelmente minha banda recente predileta em seu glorioso segundo disco, caspita, o Thom não poderia ter esperado mais duas semanas?

O vídeo me fez gostar de Lotus Flower, que havia se tornado minha porta de entrada para o disco. Logo depois dela vem Codex, provavelmente a única canção do disco que soa Radiohead; Yorke parece ter gravado em um dos poucos momentos em que estava distante da cafeína. É uma balada bonitona, embalada pelo piano indeciso que é uma das marcas de Yorke desde 2005, pelo menos.

Tem outro detalhe: As canções de The King Of Limbs devem ganhar uma força absurda ao vivo. Aliás, é só ao vivo que eu consigo gostar das canções de The Eraser, o que já explica boa parte do que poderia ser um mistério. Quem sabe eles vêm tocar de novo aqui. Eu tiraria a dúvida. E gostaria muito.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Música e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Radiohead: The King Of Limbs

  1. marcelo de almeida disse:

    Meu amigo !! Estava esperando palavras suas sobre esse novo disquinho dos caras (vale mesmo a pena compra lo?) Essa banda que voce citou ai , (white lies e mesmo boa?) As pessoas estao medrosas ao falar desse novo cd do radiohead . ah algum fundamento nisso ? Abraços !!

    • gilvas disse:

      meu pombo, ouve antes em streaming, e depois compra. a irregularidade e a parcialidade estão soltas por aí. beijo no coração.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s