Peter Murphy: Ninth

Eu não acompanhei a linha de raciocínio de Peter Murphy quando ele resolveu batizar seu oitavo disco de Ninth. Talvez ele esteja considerando a coletânea Wild Birds na numeração. O que não é relevante, no final das contas. O que importa é que o inglês, ex-Bauhaus, vegano e muçulmano, residente há alguns anos na Turquia, bem, o esquálido cantor está em boa forma neste novo disco.

As expectativas, convenhamos, eram baixas. Seu último disco, Unshattered, lançado sete anos atrás, nada acrescentava à sua discografia além de volume. Parecia mais um ajuntado de idéias que já haviam sido expostas em discos anteriores. Ninth é nitidamente superior, não necessariamente por ser original, algo que nem pode ser exigido de alguém com tão longa ficha de bons serviços prestados ao goth-rock e ao adult-pop que interessa.

O que diferencia, e drasticamente, Ninth de Unshattered é a energia de Murphy, notável pelo frescor das canções. As guitarras falam alto na primeira faixa, Velocity Bird, e Murphy parece estar disposto a finalmente emular Iggy Pop com alguma propriedade. Sua nova banda pode ser a razão para este fogo renovado. Murphy dedica-se a seus vocais com paixão, como se a base instrumental, mais simples e direta, o colocasse como único responsável pelos arabescos que não poderiam faltar em seus discos.

A maior parte das canções é rápida, e os instrumentos são colocados de forma concisa. Nenhum dos instrumentistas soa brilhante, embora a competência permeie todas as faixas. A mixagem é limpa e espaçosa, deixando os vocais de Murphy bem à frente. Faixas como The Prince and Old Lady Shade, por exemplo, deveriam ser obrigatórias em qualquer FM decente. Num mundo que comportasse um conceito bizarro como “FM decente”, claro. As guitarras soam limpas no arranjo acelerado, e as cordas simples dão ao conjunto aquela pitada de encanto que define uma pérola pop.

Talvez a faixa de encerramento esteja um pouco abaixo da boa média do disco. Uneven & Brittle tem uns vocais, ou urros, realmente impressionantes durante a ponte, e, presumindo que Murphy realmente esteja em boa forma, devem ser quase assustadores ao vivo. Na mesma linha rocker, Peace to Each, exercita vagidos inspirados. Ninth é curto como seu nome, mas um puta de um discão.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Música e marcado , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para Peter Murphy: Ninth

  1. marcelo de almeida disse:

    To indo pra rua cara !! Essa mafia do cimento me oprime , agora quanto a esse peter nao vom comprar nao se foda se voce voce .e mande uma copia pra mim . falando em mafia acabei de ler um livro que voce tem que colocar os olhos . Chama se macmafia (um crime sem fronteiras ) misha glenny e o nome do cara . Coisa absurda !!

  2. marcelo de almeida disse:

    Porra !! Voce mudou o lance ai em cima ? Como chama mesmo? E que ja bebi 02 garrafas de casilero del diablo !Ficou otimo cara muito bom meso!!

    • gilvas disse:

      sim, resolvi mudar o template. ele alterna três imagens diferentes. estou pensando em fazer umas imagens minhas. mas ainda leva um tempo para aprender. preguiça, sim.

  3. marcelo de almeida disse:

    Caro….muito caro!!…Esse vai sair fora a postagem..R$ 56,00…

  4. marcelo de almeida disse:

    Cara !! Vou comprar!! Pelo texto .

    • gilvas disse:

      olha, bicho, eu achei tão bom quanto o cascade, apesar de serem propostas bem diferentes. aliás, quanto está custando um cd atualmente? compras na galeria?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s