Tabaco nunca mais

Pode soar curioso, mas, neste sábado que passou, descobri que vou sentir uma saudade imensa do tabaco quando este se for. Menos saudade do que do Wando, o primeiro cheirador de calcinhas a sair das gavetas, claro. Muito mais saudade do que de Whitney Houston, musa dos craqueiros que também se amarrava em gritar ao microfone, óbvio.

Estava eu com a digníssima a escolher o tom, de madeira de mentirinha, da mesa que irá tornar nossa sala de estar mais agradável. Era sábado. O ritual consiste em imaginar as cores de todo o resto do mobiliário no recinto, e tentar manter a salada digerível aos olhos.

Seguindo estas diretivas, lembrei dos nichos dos DVDs, de madeira escura, e pensei que a mesa poderia, como aprendi em alguma revista pedante, dialogar com eles. “Tabaco”, falei para a vendedora, “até porque vou fazer novos nichos iguais aos que já tenho”.

Ela franze de leve a testa, diz que o tabaco não tarda em sair de linha. O marfim já foi, o tabaco logo, e devo me apressar. Estupefato, questiono quais serão os substitutos. Ela me mostra um catálogo menos surrado do que o que apresenta os tons possíveis da mesa. “Tons de madeira rústica, com veios aparentes, nós, até mesmo algumas saliências, a moda da madeira de demolição…”.

Anos de sabedoria paterna e materna vão pelo ralo. Lutamos para conseguir materiais práticos e bonitos, discretos e elegantes. Lembrei até de um guarda-roupa que comprei em uma ponta de estoque por quase um terço do preço, simplesmente porque ele apresentava nós na madeira, de verdade. Agora, reversão completa, as tendências apontam para o móvel rústico. Rodas de carroça na sala de estar, provavelmente, serão o ápice desta moda.

Tudo será jogado fora em alguns anos, em nome da obsolescência programada que mantém nossa economia paraadoxal rodando. Os interiores serão um pouco mais feios, o planeta terá algumas montanhas a mais de lixo. E a nave segue.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Filosofia de Boteco e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Tabaco nunca mais

  1. turnes disse:

    tabaco e decoração num mesmo texto…o hétero, esse desconhecido.

    • gilvas disse:

      sempre meu amigo renato a aproveitar as deixas capciosas dos textos. 😉

      • marcelo de almeida disse:

        essa vendedora sabe tudo!!

      • marcelo de almeida disse:

        Gilvan ? Tenho uma coisa pra te perguntar? E essa galaera paulista , que anda por ai? Tipo “romulo froes ” e cia o que voce me diz?

      • marcelo de almeida disse:

        Ou melhor dizendo , teria como voce fazer um apanhado geral dessa moçada ae ? Tipo o que voce fez com o “cicero”

      • gilvas disse:

        eu ouvi o fabio goes, mas a parada não desceu muito bem. gosto de céu, parece que tem disco novo, mas nunca escrevi uma resenha. mas era uma. abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s