Meu nome não é Camila

Cresci durante uma época em que os compositores de música popular, mesmo os de FM, se preocupavam em dizer alguma coisa. Ainda que nem todos tivessem o toque genial de um Morrissey ou de um Lloyd Cole, as paradas estavam recheadas de gente criativa como Ian McCulloch, Peter Murphy ou Martin Gore, só para citar alguns.

Os significados podiam estar um pouco mais fundos até, um pouco profundos demais para meus ouvidos adolescentes, sedentos de impacto, e nem sempre de construções. Algumas destas canções eu só fui descobrir bem mais tarde, quando as revisitei ao violão.

Foi o caso de Luka, de Suzanne Vega. Aos dezesseis, dezessete, eu só conseguia ver o ritmo delicado e a voz melodiosa, o andamento simples e gostoso. Anos depois, a clareza da história de maus tratos é óbvia, dolorosamente óbvia. Frases como “I walked into the door again” e “They only hit you until you cry”, entretanto, passaram ao largo da percepção mesmo de uma penca de anglo-falantes, que transformaram a música, fofinha, em um sucesso gigantesco em 1987.

Isto, bem, não foi o mais lamentável. A canção não é sobre Camila, mas de Camila. É ela que tem “medo até de tuas mãos”, é ela que tinha “vergonha do espelho, daquelas marcas”, e era o namorado dela que tinha “olhos insanos, os olhos que passavam o dia a me vigia-aaaar, a me vigiaa-aaaaar, ô”. A Maricota me contou sobre o assunto, e resolvi ir atrás.

Levei vinte anos para me ligar do motor dramático de Camila. Agora, cada frase dela faz cair uma ficha dentro da minha cabeça. Tudo faz sentido. Como passaram a fazer sentido, para um camarada meu, as canções das duplas sertanejas depois que ele fora traído pela namorada.

A música popular de qualidade tem este poder de nos encantar, de transcender sua duração curta e suas restrições estéticas, alojando-se em nossos corações como um anzol. Fisgados, agonizamos prazeirosamente em prazeres simples.

Anúncios

Sobre gilvas

Pedante e decadente, ao seu dispor.
Esse post foi publicado em Música e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Meu nome não é Camila

  1. Ana Thomé disse:

    Belo texto, Gilvan! Beijo!

  2. mafra disse:

    MAIS UM TEXTÃO PARA ME FEZ QUERER TE DAR UM ABRAÇO.

    e vou lá ouvir a “camila, camila”.

  3. aluísio disse:

    Eu li a parte da música em pensamentos cantantes…abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s