Arquivo da tag: amor

Haruki Murakami: 1Q84

Em 1Q84 Haruki Murakami exercita seus elementos clássicos em um épica intimista que vai decepcionar quem gosta de soluções claras. E isso é bom. Anúncios

Publicado em Literatura | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Eu gosto mais

Um dia me ocorreu que eu me amo. Eu realmente gosto do cara que eu venho tentando me tornar. Eu gosto especialmente do processo pelo qual estou passando para chegar em mim mesmo. Perceber isso veio de um dia para … Continuar lendo

Publicado em Filosofia de Boteco | Marcado com , , | Deixe um comentário

Duas mentiras sobre o amor

Há duas mentiras muito arraigadas sobre o amor. Ou mais. Eu não saberia dizer se há outras. Se houver, eu sei dizer que, neste momento, são essas duas as que protagonizam minhas ideias. Estas mentiras são cantadas em poemas, em … Continuar lendo

Publicado em Filosofia de Boteco | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Allain de Botton: Ensaios de Amor

É bem provável que o filme mais bonito sobre o amor tenha sido, previsivelmente, intitulado Amour. Michael Haneke teve a capacidade de criar  uma obra irretocável que, oh infâmia, toca fundo o espectador. O amor filmado por Haneke evoca altitudes … Continuar lendo

Publicado em Filosofia de Boteco, Literatura | Marcado com , , | Deixe um comentário

Top Five: Comédias Românticas

Um homem rabugento precisa de princípios, e um dos principais princípios a reger minha vida é o de não ceder ao hype. Em tempos virais de super-exposição, é importante manter-se alheio ao que todos gostam. Se for bom, sobreviverá. Se … Continuar lendo

Publicado em Cinema | Marcado com , , , , , | 13 Comentários

Álcool

Há um certo texto de auto-ajuda circulando pela internet, e seu teor, basicamente, poderia se resumir a “ele fez porque ninguém havia dito a ele que não poderia fazer”. Não obstante discussões botecofilosóficas sobre o tema, eu me enquadro, por … Continuar lendo

Publicado em Filosofia de Boteco | Marcado com , , , , | 2 Comentários

Gabriele Muccino: Para Sempre na Minha Vida

O cinema de Muccino não tem nada que escape, a um olhar arguto, como mais do que o trivial. Este filme e L’Ultimo Bacio são de extração semelhante; enquanto Come te Nessuno mai relata a transição na adolescência, L’Ultimo Bacio … Continuar lendo

Publicado em Cinema Europeu | Marcado com , , , , , | 1 Comentário