Arquivo da tag: pedantismo

Umberto Eco: A Ilha do Dia Anterior

Fui enganado, percebi lá pela esquina entre a segunda e a terceira centena página do romance A Ilha do Dia Anterior. À guisa de hipóteses ocorre-me inicialmente o sangue doce que em mim instaurou Baudolino, divertida elucubração do autor italiano, … Continuar lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , | 3 Comentários

Conceito aplicado: Bildung

Traduzindo toscamente um trecho do verbete da Wikipedia:

Publicado em Filosofia de Boteco | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Extraño

Tive meia dúzia de aulas de espanhol. Fracas. Estou muito próximo à estaca zero. Apesar do espanhol ser um idioma assemelhado ao português, não me sinto à vontade com ele. A proximidade, provavelmente, me intimida. O verbo “extranãr” significa algo … Continuar lendo

Publicado em Filosofia de Boteco | Marcado com , , , , | 7 Comentários

A Sina do Camellia Sinensis

Enquanto a alvorada da existência não se anuncia, cabe ao indivíduo pedante e rabugento otimizar seus hábitos, prática que pode levar a um ponto em que se poderia fundar uma religião de uma pessoa só, contendo tal arcabouço de rituais … Continuar lendo

Publicado em Gastronomia | Marcado com , , , , , | 9 Comentários

Philip Roth: Lição de Anatomia

Conheço uma pessoa, a quem não darei nome, que acredita em revistas de decoração e arquitetura. Seu apartamento é cuidadosamente arrumado, e mesmo a sua bagunça tem aquele jeito despojado que as coisas jogadas assumem nas fotografias que demonstram o … Continuar lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , , , , , , | 4 Comentários

Jonathan Mostow: Substitutos

A duração de noventa minutos, na realização cinematográfica de qualquer calibre, é uma encruzilhada crucial. Cravar noventa minutos de filme é um objetivo nobre, e o realizador deveria carrega-lo consigo tal qual uma régua. Pela minha matemática simples, filmes que … Continuar lendo

Publicado em Cinema Gringo | Marcado com , , , , , , , , | 3 Comentários

Insônia Leitora

(…) e então deitou-se em sua cama desfeita, embarcando em um sono sem sonhos. Uma frase pouco original, absorvida de alguma leitura de qual não consigo me lembrar. Frases soltas têm a tendência ladina de se infiltrar nas memórias vindas … Continuar lendo

Publicado em Filosofia de Boteco | Marcado com , , , , , | 3 Comentários