Arquivo da tag: cotidiano filtrado

Ficção No. 59

Se a mão dela descia sobre a sua, já não o sobressaltava como nos primórdios da mansa amizade que havia entre os dois. Ele não poderia ter certeza sobre o que a fazia repetir atos inocentes de coqueteria. Num passado … Continuar lendo

Publicado em Ficções | Marcado com , | Deixe um comentário

Ficção No. 58

Vaga pela praia por motivos que não ousa confessar. Esquadrinha a areia pálida entremeada de pontas negras de folhas que ali vieram se perder. Ao retornar desta distração monocromática, detém o olhar sobre seu próprio antebraço para descobrir, frio na … Continuar lendo

Publicado em Ficções | Marcado com , | Deixe um comentário

Ficção No. 57

Os primeiros degraus são simples. Os olhos estão fechados, mas este caminho já foi percorrido inúmeras vezes. Descalço, consegue reconhecer até mesmo as texturas de cada piso frouxamente personalizado por um expediente pseudo-aleatório em uma fábrica anônima. Conhece o número … Continuar lendo

Publicado em Ficções | Marcado com , , | Deixe um comentário

Ficção No. 54

Ela desistiu. Antes de ter visto que era longe demais. Antes de ouvir que era forte de menos. Antes de se escorar na parede do túnel que ela já vira. Antes de se incomodar com os pernilongos.

Publicado em Ficções | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Ficção No. 53

Levantou os olhos para ela, que olhava por cima do edredon, entretida, aparentemente, com as formas abstratas das finas camadas de sujeira na janela. Ele ensaiou: – Eram vários. – O quê? Repetiu com uma incisão que o pressentia grosseiro: … Continuar lendo

Publicado em Ficções | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Ficção No. 52

“Não aconselho que te amofines, caro colega. Já faz tanto tempo que estamos aqui, somos quase amigos – pigarreou em “amigos”, não saberia dizer se foi antes ou depois de pronunciar a palavra – e não creio que aquelas nuvens … Continuar lendo

Publicado em Ficções | Marcado com , , , , , | 1 Comentário

Ficção No. 51

Porta lenta. Muito lenta. A porta do prédio demora uma contida eternidade até que eu ouça a batida inicial no quadro, e o subseqüente pigarro metálico da fechadura encaixando-se. Libero-me para caminhar. Até uma nova padaria. Nada contra esta aqui … Continuar lendo

Publicado em Ficções | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário